BUGs: O Fórum foi migrado para um novo servidor. Contudo, ainda apresenta erros de códigos e de algumas funções, como negrito, itálico, quotes, textos sublinhados etc. Mas não se preocupem, será corrigido. ~Commodoro

Ajude na manutenção do Fórum: https://www.paypal.com/cgi-bin/webscr?c ... source=url

Novos usuários podem ter que aguardar a aprovação de um Administrador para fazer o login e começar a postar.

Como ganhar dinheiro (mesmo sendo pobre)?

Concursos e diários de estudos; dicas, artigos e finanças em geral; mercado financeiro, Bolsa de Valores, demais investimentos
Avatar do Usuário
Homem
Moderador
Moderador
Mensagens: 1560
Registado: 12 mar 2016, 19:42
Reputação: 16

Como ganhar dinheiro (mesmo sendo pobre)?

Mensagempor Homem » 28 abr 2019, 12:56

Por Winter Trabex

A principal dificuldade em ganhar dinheiro e enriquecer é que você tem de ter um dinheiro de reserva para criar aquilo que é chamado de "renda passiva", que é a renda que continua crescendo sem que a pessoa tenha de trabalhar. Isso significa que, para enriquecer, você tem de juntar um capital que seja suficiente para ser investido e tenha rendimento. E para juntar este capital suficiente para ser investido você tem de criar valor; você tem de ter uma atividade diária que seja valorizada por pessoas.

Pessoas pobres permanecem pobres por três razões. A primeira é que sua mão-de-obra é tão simples, que a demanda por ela não é alta. Uma mão-de-obra ganha valor de acordo com sua escassez. Trabalhadores de redes fast food simplesmente não são uma mão-de-obra escassa. Isso faz com que seus salários sejam baixos. A segunda razão é que as pessoas pobres com renda menos discricionária têm de saber escolher entre várias opções. Entre as pessoas ricas, alguns vícios podem ser considerados meras excentricidades, uma vez que esses vícios, na maioria dos casos, não causam a ruína de suas circunstâncias presentes e futuras. Já entre os pobres, os vícios, dentre os quais os mais comuns são cigarros e bebidas, consomem dinheiro que, de outra forma, poderia ser usado para contas de poupança, a fim de proporcionar o primeiro investimento de uma pessoa. Uma pessoa que não controla seus vícios e que por isso vive exclusivamente de salário a salário é uma pessoa que em vez de estar se esforçando para controlar seu próprio destino, está com o seu destino controlado pelo mercado de trabalho. A terceira razão é que, sem que tenham nenhuma culpa por isso, as pessoas pobres possuem acesso apenas a uma fatia muito limitada da economia — que é aquela que está fisicamente próxima deles. Vários pobres continuam sem acesso à internet, a qual é hoje a maior força-motriz por trás da acumulação de riqueza. Aliás, vários pobres nem sequer têm acesso a uma livraria ou até mesmo a uma boa educação.

Pessoas pobres permanecem pobres por três razões. A primeira é que sua mão-de-obra é tão simples, que a demanda por ela não é alta. Uma mão-de-obra ganha valor de acordo com sua escassez. Trabalhadores de redes fast food simplesmente não são uma mão-de-obra escassa. Isso faz com que seus salários sejam baixos. A segunda razão é que as pessoas pobres com renda menos discricionária têm de saber escolher entre várias opções. Entre as pessoas ricas, alguns vícios podem ser considerados meras excentricidades, uma vez que esses vícios, na maioria dos casos, não causam a ruína de suas circunstâncias presentes e futuras. Já entre os pobres, os vícios, dentre os quais os mais comuns são cigarros e bebidas, consomem dinheiro que, de outra forma, poderia ser usado para contas de poupança, a fim de proporcionar o primeiro investimento de uma pessoa. Uma pessoa que não controla seus vícios e que por isso vive exclusivamente de salário a salário é uma pessoa que em vez de estar se esforçando para controlar seu próprio destino, está com o seu destino controlado pelo mercado de trabalho. A terceira razão é que, sem que tenham nenhuma culpa por isso, as pessoas pobres possuem acesso apenas a uma fatia muito limitada da economia — que é aquela que está fisicamente próxima deles. Vários pobres continuam sem acesso à internet, a qual é hoje a maior força-motriz por trás da acumulação de riqueza. Aliás, vários pobres nem sequer têm acesso a uma livraria ou até mesmo a uma boa educação.

Com esses três fatores combinados, as pessoas pobres muito provavelmente continuarão pobres. E o comportamento agregado de indivíduos no mercado mostra que isso é verdade. Histórias de sucesso continuam sendo a exceção. Sendo assim, torna-se fácil acreditar que as pessoas pobres não têm nenhuma outra escolha senão continuarem pobres. Esse artigo é uma tentativa de mostrar que tal argumento não procede, e também de mostrar como a pobreza pode ser superada por meio da compreensão das forças naturais do mercado.

Para remediar o primeiro problema da pobreza — a mão-de-obra de uma pessoa pobre não ser escassa —, é necessário educação. Isso pode ser feito tanto por meio do autodidatismo quanto por meio da educação em uma escola técnica. Aprender as técnicas de um trabalho específico, como fazer aulas técnicas em um sábado à tarde para adquirir um certificado de operador de empilhadeiras, é um esforço que, embora sobrecarregue o indivíduo temporariamente e até mesmo aumente seus gastos, poderá lhe trazer uma maior acumulação de riqueza no longo prazo. Não basta apenas olhar o salário do final do mês para determinar o que pode e o que não pode ser comprado. Qualquer planejamento para o futuro tem de ser feito com o intuito de ganhar o máximo de dinheiro possível.

Isso significa que o indivíduo terá de poupar dinheiro para fazer essa especialização. Logo, ele não poderá gastar seu pouco dinheiro comprando cigarros, cerveja ou comendo uma comida mais cara. Pessoas que sobrevivem de salário a salário deveriam economizar o máximo possível, mesmo que seja dez dólares, a cada semana. Após um ano de investimento constante, uma pessoa que esteja trabalhando com salário mínimo, talvez com um horário de meio período, terá 520 dólares economizados. A partir daí, não é difícil investir em aulas de certificação ou aulas noturnas em faculdades comunitárias. Na pior das hipóteses em que uma pessoa pobre não tem meios de transporte além de caminhar, uma bicicleta pode ser comprada. Isso permitirá que eles viajem mais, busquem mais empregos, mais oportunidades.

Inversamente, os dois vícios mencionados, cigarros e álcool, não acrescentam nada à riqueza pessoal. Eles são, em vez disso, subtrações contínuas, cujos aumentos de preços aumentam à medida que o governo continua a adicionar mais impostos a esses itens. Dada a escolha entre um momento de prazer e uma vida bem-sucedida, a escolha deve ser bastante clara.

O terceiro problema, o da oportunidade de acordo com a localização, é resolvido pela economia contínua. Laptops (como o que estou usando para escrever este artigo) custam entre 300 e 500 dólares. Isso pode parecer uma despesa incrível para alguém que ganha 200 dólares por semana. No entanto, com planejamento suficiente, laptops podem ser comprados. Nem precisam ser comprados novos. Há lojas de penhores e lojas de informática que vendem laptops usados ​​e recondicionados. Uma pessoa pobre sem acesso à internet em casa poderá ter de ir a uma fonte que forneça internet, como uma biblioteca. No entanto, isso pode ser feito.

A questão então passa a ser a seguinte: tendo investido em uma bicicleta ou em um computador, o que o indivíduo terá de fazer para enriquecer? Com um computador, os serviços mais demandados (e, portanto, escassos) envolvem programação. Livros sobre programação de computadores, muito embora nem sempre estejam totalmente atualizados, podem ser encontrados em bibliotecas públicas. Vários deles, como Visual Basic para iniciantes, vêm com DVDs que podem ser utilizados como ferramenta de auxílio. Consequentemente, não é impossível que um sujeito que trabalha em alguma rede de fast food como o McDonald's sem carro e sem computador possa por meio desses sacrifícios e esforços subir na vida. Ele pode não virar um milionário, mas sem dúvida sua renda irá aumentar substantivamente.

Esses princípios, aplicados a pessoas pobres, também podem ser aplicados a famílias de classe média, que muitas vezes continuam a subsistir em seus contracheques semanais ou mensais pelas mesmas razões. Com essas famílias, é mais frequente que elas se sintam à vontade em sua existência. Eles têm comida suficiente para comer. Eles têm um bom lar. Eles têm um ou dois carros. Eles têm pelo menos uma televisão, alguns computadores e uma velocidade de internet rápida. Não há muito sobre esta vida que possa ser mudada - assim eles pensam.

Um grande problema ao qual todos estão sujeitos é que essa renda que momentaneamente parece ser contínua e suficiente pode repentinamente sumir. Trabalhadores podem ser demitidos. Empresas podem falir. O mercado pode simplesmente tornar algumas profissões obsoletas. Em algum momento no futuro, pode até ser possível que computadores se programem sozinhos de acordo com um arranjo de preferências pré-determinadas. Aquele indivíduo ou aquela família que até então estava confortável em uma profissão repentinamente descobre que sua renda voltou a correr risco.

O objetivo final de ganhar dinheiro é ganhar dinheiro suficiente para que o próprio investimento se torne uma vocação. Isso proporciona uma vida fácil e segura. Investidores podem controlar aquilo em que investem. Tanto o sucesso quanto o fracasso são determinados pelas escolhas que fazem. Isso é o oposto de ter de seguir ordens de um patrão, que é quem decide por conta própria se o empreendimento no qual você trabalha irá fracassar ou ser bem-sucedido. O fato claro e óbvio da independência profissional deveria fazer com que a maioria das famílias de classe média se tornasse investidores ou donos de empresas por conta própria. Eles estão unicamente posicionados para isso: através da internet, eles têm acesso a quase qualquer livro ou programa que possam desejar. Com um ou mais carros à mão, sua esfera de influência econômica se estende para muito além de sua residência. Com uma renda estável e confiável, eles podem limitar seus vícios a fim de economizar dinheiro — não para um dia chuvoso, mas para um dia ensolarado, onde podem deixar o emprego com dinheiro suficiente para durar o resto de suas vidas.

Visto por esse prisma, aquele senso comum que diz que devemos “trabalhar para ganhar dinheiro para viver” é somente parte da solução. Mais especificamente, é a primeira parte da solução. O objetivo supremo é “trabalhar para ganhar dinheiro para que, então, você possa ser autônomo ou trabalhar em troca de um salário ainda maior”. O processo é tão simples que até mesmo as pessoas pobres podem fazê-lo.


Traduzido de http://wintertrabex.liberty.me/how-to-m ... -are-poor/
“A paz de Nosso Senhor só se conquista na guerra.” - Santa Joana D'Arc

Voltar para “Estudos e Finanças”

Quem está logado:

Usuários neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante